Saúde e Cuidados

Cuidados com a saúde e bem estar do seu orelhudo

Devo castrar meu coelho? A resposta é SIM!!!!

Principais motivos do porquê coelhos DEVEM ser castrados:

Melhora o comportamento do coelho
Coelhos não castrados tendem a ser territorialistas, marcando seu território com urina e fezes pela casa toda. Na “adolescência” se tornam bastante agressivos, alguns chegam a morder. Castrar o seu coelho irá restringir esses comportamentos, além de abolir a agressividade hormonal. Coelhos castrados são mais calmos, limpos, mais fáceis de manusear e de treinar a fazer as necessidades somente em um lugar. Além disso, a castração em fêmeas evita a gravidez psicológica, a qual gera muito estresse para a coelha.

Previne doenças como câncer
Diminui consideravelmente o risco de câncer do sistema reprodutivo de fêmeas (ovário, útero, de mama) e de machos (testículos). Assim, coelhos castrados são mais saudáveis e geralmente vivem mais (em média 8-12 anos).

Possibilita a adaptação com outros coelhos
Coelhos são animais sociais que geralmente gostam de desfrutar da companhia de outros coelhos. Para que haja adaptação entre eles, um dos pré-requisitos é que os orelhudos sejam castrados, pois os hormônios sexuais de coelhos não castrados irão resultar em brigas por dominância e agressividade.

Ajuda a controlar a superpopulação de coelhos
Anualmente, muitos coelhos morrem devido ao abandono e falta de um lar com cuidados. Infelizmente, muitos deles são abandonados na rua, em terrenos baldios, matas, parques etc., onde provavelmente vão morrer de fome, frio, doenças, acidentes de trânsito, ou como presas de outros animais.
A castração diminui a superpopulação, e por consequência, evita o destino triste para muitos orelhudos. Lembre-se que se você permitir a cria de seu coelho, mesmo que somente uma vez, você estará diminuindo as chances de um coelho que está em
abrigo ou lar temporário de ser adotado!

Se seu coelho tem 4 meses de vida ou mais e ainda não foi castrado, PROCURE um VETERINÁRIO ESPECIALIZADO de sua confiança (ou com ótimas indicações) o mais rápido possível para realizar a castração de seu orelhudo!

TOPO

Estase gastrointestinal, ou GI, é um dos problemas de digestão mais comuns entre os coelhos e uma das maiores causa de morte.

As principais causas da GI são:

  • Alimentação errada (dieta com pouco feno e muita ração)
  • Falta de exercício (por isso é importante que seu coelho viva solto ou em cercado com espaço suficiente para ele se locomover livremente)
  • Estresse (ex: mudança de rotina, de ambiente ou muito barulho)
  • Dor de alguma doença que eles não demonstram ter (ex: dor no dente, infecções ou gases)

Os sintomas mais comuns são:

  • Falta de apetite/sede
  • Ausência de fezes, ou fezes muito pequenas e escuras e/ou malformadas
  • Abdômen inchado e rígido
  • Letargia
  • Orelhas geladas

No entanto, a GI nem sempre é evidente nos coelhos, principalmente nos estágios iniciais da doença. Coelhos, por serem presas, tendem a esconder sua dor para não parecerem vulneráveis ao predador. Infelizmente, são incontáveis as histórias de pessoas que dizem “meu coelho estava bem ontem, mas hoje mal comeu e morreu subitamente”. Por isso, preste atenção em seu orelhudo!!!
Caso você identifique alguns dos sintomas acima, é crucial levar o seu coelho ao veterinário o mais rápido possível, pois em questão de horas a doença pode agravar e muito, além de ser causa de muito sofrimento ao orelhudo. E lembre-se, jamais tente medicações caseiras, pois pode piorar o quadro de saúde do coelho, só um veterinário especializado é capaz de avaliar e tratar estase gastrointestinal adequadamente!

TOPO

Sarna em coelhos

A sarna é causada por ácaros, que são parasitas minúsculos que geralmente cavam túneis sobre a pele. Existem diversas espécies diferentes de ácaros, no Brasil temos 3 mais comuns em coelhos (Psoroptes cuniculis, Chorioptes cuniculis e Sarcoptes scabiei var. Cuniculi).

De acordo com a espécie, podemos ter diferentes tipos de sarna, com diferente sintomalogia e áreas do corpo afetadas.


SINTOMAS

Sarna auricular

A sarna auricular é a mais comum em coelhos e pode ser causada pelos ácaros Psoroptes cuniculis e Chorioptes cuniculis. Os sintomas causados por ambos os ácaros são bem parecidos.

  • O primeiro sintoma perceptível é uma alteração no comportamento. O coelho começa a inclinar a cabeça para um dos lados, geralmente o mais acometido, sacudir a cabeça frequentemente e a coçar as orelhas. Ao coçarem repetidamente as orelhas, eles acabam se ferindo;
  • no início, notam-se pequenas “escamas” de coloração branco acinzentadas que são firmemente aderidas a pele;
  • ocorre também uma irritação na pele do ouvido, uma vez que os ácaros ficam no interior dos condutos auditivos, se instalando profundamente na pele. Essa irritação ocasiona a formação de crostas de coloração marrom e podem até tampar completamente o conduto auditivo;
  • a infecção pode se espalhar mais profundamente no ouvido, causando a ruptura da membrana timpânica e subsequente otite (infecção no ouvido interno). Isso pode ser acompanhado de inclinação da cabeça (head tilt);
  • se não tratada, pode causar falta de apetite e emagrecimento rápido do coelho.

Sarna sarcóptica
A sarna sarcóptica é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei var. Cuniculi e acomete locais diferentes. O mais comum é que os primeiros sintomas sejam vistos no focinho e nas patas do animal, e caso o animal não seja tratado, as lesões acabam por se alastrar para o resto do corpo, em casos mais avançados pode até mesmo acometer as genitálias.

Os sintomas são:

  • focinhos com crostas marrons e por isso deformados, o que pode ocasionar dificuldade respiratória;
  • perda de pelo ao redor do local afetado;
  • coceira e lesões ao redor da área afetada, devido ao ato repetitivo de se coçarem. Em casos severos, alguns coelhos chegam a se auto-multilar, o que ocasiona feridas e infecção bacteriana secundária;
  • quando o coelho apresenta lesões próximas a boca, pode haver emagrecimento devido a inapetência causada pela dificuldade de se alimentar;
  • em casos mais graves e não tratados, o coelho pode apresentar anemia e
    diminuição de glóbulos brancos no sangue, ficando letárgico e vir a óbito
    dentro de algumas semanas.

DIAGNÓSTICO

Inicialmente, o diagnóstico pode ser difícil e um exame visual pode não ser suficiente para confirmar a presença de ácaros. O ideal é, ao perceber qualquer um dos sintomas mencionados, procurar imediatamente um veterinário de exóticos/silvestres, que fará os exames e procedimentos necessários para o diagnóstico correto.


TRATAMENTO

Nunca use medicamentos por conta própria ou usados em outros pets, eles podem ser letais para seu coelho!
Se diagnosticada precocemente, o tratamento das sarnas é relativamente simples e apresenta excelentes resultados. Geralmente dura entre 2 ou 3 semanas, que é tempo total de desenvolvimento do ácaro. Costuma ser realizado por via oral ou injetável. O veterinário também pode prescrever algum medicamento para ajudar na melhora das lesões. Porém, o sucesso do tratamento e a recuperação do animal vão depender do tempo no qual a doença demorou para ser diagnosticada pelo veterinário. Quanto mais precoce o diagnóstico, melhores serão os resultados e menor o sofrimento do coelho. As consultas de rotina são de extrema importância para o diagnóstico precoce.
Nunca arranque as crostas em casa, elas geralmente caem sozinhas alguns dias após o início do tratamento. Esse procedimento é extremamente doloroso e deixa a pele erodida. Caso seu veterinário julgue necessário remover as crostas, ele fará no consultório de maneira menos dolorosa possível.
Também é necessário realizar uma limpeza no local onde o coelho vive. Além dos ácaros sobreviverem por um período no ambiente (até 3 semanas), você também pode ser infectado. Em humanos os danos não costumam ser severos, causando apenas coceira. Limpe bem todo o local que o coelho habita e utensílios que usa, incluindo banheiro, caixa de transporte, bebedouro e comedouro, pano, manta ou colchão onde ele se deita. Também é importante descartar todo feno que ficou no mesmo ambiente durante o tempo que o coelho estava infectado.


COMO EVITAR

Algumas medidas profiláticas podem ser tomadas para evitar o aparecimento de sarnas:

  • manter sempre o local onde seu coelho fica, comedouros e bebedouros extremamente limpos e ventilados;
  • evitar que seu coelho fique molhado e em contato direto com a urina;
  • levar seu coelho para consultas de rotina com um médico veterinário de exóticos/silvestres;
  • fornecer alimentação balanceada com muito feno e variedade de folhas;
  • desinfetar tapetes, almofadas, móveis e outros lugares nos quais os ácaros possam se alojar;
  • descartar de forma periódica as fezes dos banheiros e outros espaços onde o coelho esteja;
  • eliminar os restos de pelo da escova do coelho.
TOPO

Qual a importância de se ter um veterinário de confiança?

Vocês já pararam para pensar que médicos de humanos estudam para cuidar apenas de uma espécie e que um médico veterinário tem que cuidar de várias espécies, como cachorro, gato, cavalo, ave, macaco, lagartos, jacarés, ratos, coelhos e outros? É muito bicho minha gente!
Então, os médicos veterinários escolhem uma área para se especializar. Por isso é tão importante para quem tem animais que são considerados exóticos ou silvestres, agora mais conhecidos como pets não convencionais, procurarem atendimento especializado!

Se ainda não ficou claro a importância de levar seu coelho em um veterinário de silvestres/exóticos, nós vamos listar as principais vantagens:

  • O profissional especializado possui mais capacidade técnica a respeito do seu orelhudo. Ele conhece todas as peculiaridades de coelhos. É capaz de passar com segurança o jeito correto do manejo, que inclui não só alimentação, como também o ambiente adequado, o comportamento, a importância de exames, de castração, possíveis doenças e afins;
  • Outro ponto comum dos profissionais especializados é a dedicação e a
    competência extra que possuem nos atendimentos com esses animais. No caso do seu peludinho precisar de uma cirurgia, eles conhecem direitinho a anatomia e fisiologia do coelho. A anestesia por exemplo, não é mais difícil e/ou perigosa que nos tradicionais cães e gatos, porém, possui diversas particularidades que estes profissionais já conhecem. A castração por exemplo, é realizada de maneira diferente das realizadas em cães e gatos, tanto em relação a anestesia, quanto a cirurgia em si e seu pós operatório.
  • Nas visitas rotineiras (o famoso check-up), cria-se um vínculo de confiança entre o médico veterinário, animal e tutor. Nos check-ups, são realizados alguns exames e pode-se detectar problemas precocemente, que se tratados logo no início evitarão problemas futuros;

Nunca deixe para procurar um veterinário no momento de emergência/urgência. É importante que o veterinário tenha um histórico médico do seu coelho para que o diagnóstico e o procedimento a ser tomado sejam mais rápidos.
Na tentativa de ajudar, um profissional não especializado em silvestres/exóticos pode agravar o quadro do animal por não possuir o conhecimento necessário para tal atendimento. Infelizmente, veterinários de exóticos/silvestres recebem muitos casos advindos de profissionais não capacitados.
Em suma, devemos sempre procurar um profissional de confiança, com capacitação para sempre oferecermos o melhor para esses membros tão queridos da nossa família, sejam eles de 2, 4, 6 ou nenhuma pata!

TOPO

Todo mês de Agosto tem a campanha de vacinação contra raiva em cães e gatos, e com isso, surge uma dúvida muito comum: COELHOS PRECISAM TOMAR VACINAS?

A resposta é curta: NÃO! Não existe protocolo vacinal para coelhos no Brasil.
A explicação é simples: as vacinas contra a raiva comercializadas no Brasil não são específicas para coelhos. Assim, vacinas de raiva de cão e gato não servem para coelhos, pois não são testadas e não têm eficácia comprovada nesta espécie. Além disso, os efeitos colaterais das vacinas contra a raiva em coelhos domésticos podem ser severos, podendo causar até mesmo a morte do animal.
Vale a pena mencionarmos que SOMENTE em alguns países da Europa e na Austrália, existem dois tipos de vacinas que são obrigatórias: mixomatose e doença hemorrágica viral. Porém, essas vacinas não são comercializadas no Brasil.
Assim, se você vive com seu coelho no Brasil, não vacine seu orelhudo! Procure sempre um veterinário especializado!

TOPO

Em alguns casos coelhos devem ser vermifugados. No entanto, o vermífugo não é o mesmo que o oferecido a cães e gatos. Somente vermifugue seu orelhudo com o remédio indicado pelo veterinário especializado em animais exóticos!

TOPO